Canecas para Presente

Infelizmente, convulsão em cachorro podem ser mais comuns do que imaginamos e caso ocorra, é preciso que estejamos preparados e saibamos como agir. Por isso hoje vamos explicar o que as causa e também quais cuidados você deve ter. Vamos lá?

Saber como agir corretamente durante uma convulsão e após seu acontecimento é muito importante para evitar graves danos e consequências para toda uma vida. Doenças cerebrais, infecções, inflamações e tumores são algumas das causas para o quadro de convulção e caso você saiba como proceder, com certeza diminuirá os riscos e sequelas.

Durante uma convulsão seu pequenino irá ter contrações musculares involuntárias por todo o corpo, poderá perder a consciência ou ainda ter comportamentos estranhos como chorar, latir ou espumar. Não é difícil perceber que é ela que esta invadindo o corpo do seu pequenino porque as contrações musculares costumam ser fortes e transparentes. Existem diversos tipos de convulsão e as mais comuns são a tônico-clônica ou generalizadas e a focal que envolve os músculos da mastigação. Também ocorrem crises psicomotoras e psicóticas onde há uma brusca alteração de comportamento onde o animal pode defecar, urinar, gritar e chorar.

Leia também: Por que cachorro perde pelo?

O que causa convulsão em cachorro? 2

Raças que tendem a desenvolver convulsão

Existem algumas raças que já possuem a pré-disposição a ter este tipo de crise devido ao certo grau de hereditariedade da mesma. Os beagles e setters irlandeses são alguns dos exemplos, além disso, alguns animais como yorkshire, maltês e lhasa apso são cães que tem maior chance de possuir doenças inflamatórias que causem o forte sintoma. Além disso, boxers e goldens retrievers tendem a desenvolver tumores cerebrais.

O que fazer?

Uma crise de convulsão não dura mais do que 2 minutos, porém são as 24 horas após ela ocorrer que são decisivas. Quando ocorrer a crise, é muito importante que você se dirija imediatamente ao veterinário para que uma segunda crise seja evitada. É muito importante esperar a primeira convulsão terminar sem mexer no cãozinho para evitar traumas e lesões graves. É muito importante manter o pequenino deitado de lado em um local acolchoado, nunca se deve colocar objetos ou a mão na boca do cachorro para evitar acidentes.

Tratamento para convulsão

Uma vez na clínica veterinária os responsáveis irão investigar a causa do quadro através de exames e também imagens que garantem um diagnóstico e tratamento adequados. Dependendo da causa, serão necessários medicamentos contínuos ou específicos intravenosos que cessam a origem do problema. Casos graves exigem internação em coma induzido para cessar a alta atividade elétrica cerebral. É muito normal que após a crise seu cachorro fique desorientado, sinta apatia, falta de apetite, muita sede, andar compulsivo e fique bastante agressivo. Trate-o com muito amor e não esqueça dos medicamentos recomendados para garantir uma vida feliz e saudável para o seu pequeno.

Você conhecia todas essas informações? Comente!