Se você tem cachorro e mora em uma grande cidade, sabe muito bem da importância desta informação. Afinal, ir de um ponto a outro sem ter a opção de utilizar um carro pode ser um verdadeiro desafio com um cachorro. Por isso hoje vamos dar todas as informações sobre levar cachorro no metrô. Vamos lá?

Hoje tenho uma boa notícia, desde 2015 cidades como São Paulo e Rio de Janeiro liberaram a entrada de cachorros em ônibus urbanos. Este foi um grande passo para tornar as cidades pet frendly, ou seja, cidades dispostas a mudar as regras para se adequar a convivência com cães e gatos domésticos. Depois disso, a iniciativa foi se expandido e atingiu os metrôs também, porém você precisa saber de algumas regras de segurança.

Leia também: Curiosidades sobre o focinho do cachorro

É possível levar cachorro no metrô? E no ônibus? 2

Este cachorro está pleníssimo no metrô de Nova York

Segurança do cachorro no metrô

Em janeiro deste ano o governo de São Paulo liberou o transporte de cachorros e gatos nos trens do metrô e também a CPTM, isso além dos ônibus intermunicipais da EMTU. Esse é um grande avanço pelo qual estamos torcendo que se multiplique nos municípios brasileiros. Para transportar um cachorro no metrô existem inúmeras regras que ajudam a manter a boa convivência e também a segurança do seu amigão. Em São Paulo as regras são as seguintes:

  • Apenas cachorros com até 10 kg podem ser transportados;
  • Você precisa carrega-lo em uma caixa de transporte feita de material rígido e em boas condições – tanto físicas quanto de higiene;
  • Você só pode transportar seu cachorro em um metrô fora dos horários de pico, ou seja, antes das 6h, entre 10h e 16h e depois das 19h. Essa regra é interessante não apenas pelo espaço quanto pelo fato de cães ficarem muito estressados em ambientes lotados. A regra pode ser quebrada se você tiver um procedimento cirúrgico agendado, sendo necessário levar um documento assinado pelo veterinário;
  • Seu cachorro não pode comprometer nem a segurança nem o conforto dos demais passageiros, ou seja, ele não pode agredir ninguém e por isso deve ser mantido sob controle;
  • Se solicitado, é preciso apresentar a carteira de vacinação do cachorro com todas as vacinas em dia – assim atestando a imunização contra raiva e demais doenças;
  • Se o cão for ocupar um assento, será necessário pagar uma passagem extra;

E o ônibus?

A partir de 2015 diversas capitais começaram a liberar o uso de ônibus por pets também, assim ajudando você a atravessar a cidade com o seu amigão, confira a lista das principais cidades que autorizam este transporte:

  • São Paulo;
  • Rio de Janeiro;
  • Curitiba;
  • Belo Horizonte;
  • Porto Alegre;
  • Salvador;
  • Recife;
  • Florianópolis.

Em São Paulo as regras para andar de ônibus no meio urbano são as mesmas que no metrô, é preciso uma caixa de transporte própria, pagar uma passagem extra se ele for em um assento, você só pode andar fora dos horários de pico e também precisa apresentar a carteirinha de vacinação se for solicitado. Se seu cachorro for bravo, você precisa mante-lo sob controle para que ele não machuque ninguém.

É possível levar cachorro no metrô? E no ônibus? 3

Por que essas iniciativas são importantes?

Muitas pessoas deixam de vacinar, castrar ou consultar um veterinário devido a distância entre sua casa e o posto de saúde mais próximo. Além disso, existem bairros que não possuem parques ou espaços para o cachorro correr. Tendo transporte de ônibus e metrô, os tutores agora possuem recursos para poder manter as consultas veterinárias em dia além de também poderem passear mais com o cachorro.

Este tipo de iniciativa permite que cada vez mais pessoas pratiquem a tutela responsável, prezando pela saúde do cachorro e também seu bem estar. São iniciativas como esta que estimulam outras como estabelecimentos pet frendly que possuam espaços onde o cachorro possa ficar com seu dono durante as refeições ou compras. Também estimula os bebedouros e comedouros em frente dos estabelecimentos, a adoção responsável e muito, muito mais.

Hoje as prefeituras também se preocupam muito mais com seus animais, não controlando apenas as zoonoses como fornecendo veterinários públicos, programas de vacinação, castração e muito mais. Diversas capitais e cidades do interior já possuem programas como estes, possuem castra-móvel que chega nos bairros mais distantes com o estímulo da castração e muito mais. Logo, você não precisa mais ser muito rico para ser um tutor responsável, assim democratizando a tutela tanto de cachorros quanto de gatos.

O futuro é lindo, meus amigos. Caso você more em uma cidade que ainda não possui essas iniciativas, crie grupos e mostre ao seu prefeito como elas estão dando certo nas mais diversas cidades deste Brasil. Faça sua parte para ajudar nestas iniciativas.

Você sabia de tudo isso? Comente!