Canecas para Presente

Muito ouvimos falar sobre a displasia de quadril e do quanto ela afeta a vida de nossos cães, entretanto você sabe exatamente o que ela é? Quais são os sintomas e tratamentos mais comuns? Vamos descobrir tudo isso agora!

O que é displasia de quadril?

A displasia de quadril é um tipo de doença óssea que afeta muitos cachorros em todo o mundo. Ela é hereditária e só se desenvolve após os 5-6 meses de idade, se manifestando apenas na idade adulta. Devido a imensa dor que causa, a displasia de quadril pode chegar a incapacitar o cãozinho em idades avançadas.

Leia também: O que é hérnia umbilical em cachorros?

displasia de quadril

Afeta principalmente cachorros de porte grande ou gigante que não receberam a dose ideal de cálcio e minerais para o seu crescimento. A ma alimentação e excesso de exercícios físicos assim como o sobrepeso e alterações hormonais são os maiores atenuantes, porém ela pode ocorrer apenas por questões genéticas ou aleatórias.

O nome ‘displasia’ deriva do grego e significa ‘dificuldade para se formar’, ou seja, a displasia de quadril é uma má formação que ocorre na articulação coxofemoral que a une ao acetábulo da anca e cabeça femoral. Durante seu crescimento, o quadril acaba não se desenvolvendo de forma adequada, se colocando até as laterais e impedindo o movimento correto que vai se agravando com o tempo. Isso causa extrema dor e coxeia, causando problemas para se locomover, sentar, subir escadas e diversas outras atividades do dia-a-dia.

Raças mais propensas a desenvolver o problema

Devido ao fato de ser uma doença genética, existem raças que possuem maior propensão de desenvolver o problema, por isso caso você tenha um cão de uma dessas raças procure se informar com seu veterinário de confiança para realizar exames e conseguir prevenir a evolução da doença caso ela esteja presente. Confira a lista:

  • Boiadeiro Bernês
  • Border Terrier
  • Bulldog Americano
  • Bulldog Francês
  • Bulldog Inglês
  • Galgo Italiano
  • Golden Retriever
  • Husky Siberiano
  • Mastim
  • Mastim Espanhol
  • Mastim Napolitano
  • Pastor Alemão
  • Pastor Belga Malinois
  • Pastor Belga Tervuren
  • Rottweiler
  • São Bernardo
  • Whippet

Sintomas

Existem sintomas muito evidentes e outros pouco evidentes, além disso a doença se manifesta em cada cachorro de uma forma. Entretanto, existem alguns sintomas que são mais comuns e são eles que iremos descrever agora. A medida que o cão envelhece, mais sintomas irão aparecer, veja a seguir:

  • Dificuldade para mover as patas de trás
  • Inatividade
  • Não brinca com frequência
  • Não sobe escadas
  • Não corre ou salta
  • Costuma mancar
  • Possui instabilidade no andar
  • Demonstra dor no quadril e pélvis
  • Sofre de atrofia
  • Se levanta com dificuldade
  • Sua coluna fica curva
  • Possui rigidez no quadril e nas patas traseiras
  • Tem aumento na musculatura dos ombros.

Caso seu cachorro demonstre um ou mais sintomas desta lista, não hesite em leva-lo ao seu veterinário de confiança. Lá ele irá realizar um ultrassom e irá descobrir se seu amigo possui ou não a displasia de quadril. Porém, este não será o fim, existem medicações e tratamentos que ajudam a melhorar a qualidade de vida do cãozinho, por isso quanto mais cedo você descobrir melhor será.

O que é displasia de quadril? 2

Tratamento

Infelizmente a displasia de quadril não possui cura, porém existem inúmeros tratamentos capazes de aliviar a dor e também de melhorar a qualidade de vida do seu cachorro. Esses tratamentos podem ser médicos ou cirúrgicos e tudo depende da evolução do caso, da idade do cachorro e do grau de dano no quadril.

Tratamento médico

Este é um tratamento indicado para casos leves ou para cachorros que não podem ser operados. É feita a administração de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos associados a condroprotetores (que protegem cartilagens) e restrição de exercícios aliada a controle de peso e dieta restrita.

Também é possível realizar fisioterapia, hidroterapia e sessões de massagem e acupuntura para fortalecer os músculos e aliviar as dores. Infelizmente, o tratamento médico é necessário por toda a vida do seu cachorro para garantir uma boa qualidade de vida para o seu amigão, por isso você precisará investir de forma contínua nestes tratamentos.

Tratamento cirúrgico

Este é recomendado quando o tratamento médico não consegue alcançar resultados ou ainda quando há um dano muito grave na articulação. A vantagem deste tipo de tratamento é que após o pós-operatório, seu cachorro se sentirá bem e não precisará tomar medicamentos e seguir tratamentos por toda a vida. Porém, a cirurgia possui riscos que precisam ser pesados na balança antes de tomar a decisão.

O tratamento cirúrgico mais indicado é a osteotomia tripla pélvica onde é feita a remodelação cirúrgica dos ossos, assim proporcionando a união de forma artificial com uma placa que tem o objetivo de manter o osso no local correto sem que o fêmur se desloque. Em casos onde este procedimento não se aplica é preciso remover a cabeça do fêmur, assim fazendo com que a formação artificial de uma nova articulação ocorra.

Este reduz as dores, porém acaba diminuindo a amplitude dos movimentos e pode causar problemas ao caminhar. Ainda é possível substituir a articulação do quadril por uma prótese artificial. Tudo depende do caso.

Você sabia de tudo isso? Comente!